27/09/2021 04:53

Sexta-feira no Parque

Mara Narciso

Seguidos oito meses de reclusão, três deles sem sair de casa de jeito nenhum, apenas recebendo feira e prestadores de serviço em casa, reconsiderei. Após a bateria de meu carro arriar de vez, mesmo com duas tentativas de energizá-la e ter de fazer sua troca, passei a rodar por aí para o problema não se repetir. São dez minutos de funcionamento diário, e meia hora circulando a cada semana. Um amigo mecânico me pediu para que saísse pelo menos a cada três dias, mas o temor não me permite fazê-lo. Fora isso, por necessidade absoluta, e, seguindo o protocolo de segurança, saí para exames, dentista e médica, que me mandou caminhar. Cinco noites atrás, senti cansaço e desesperança, postando meus sentimentos no Facebook: Hoje à noite, estou me sentindo meio agoniada. Sofro de excesso de pandemia. Mas também, pudera. São 237 dias de isolamento social. Saturação em grau máximo. 

Amigos solidários e tão solitários quanto a mim, me reconfortaram, sugerindo assistir filme, ouvir música, fazer caminhada, dançar, conversar, ler, sair, espairecer, e outros verbos que não posso conjugar sozinha. Vi que, ao contrário do que dizia Otto Lara Resende, citado por Nelson Rodrigues em "Bonitinha, mas ordinária", o mineiro não é solidário apenas no câncer, mas também em situações de entristecimento e solidão. 

Comecei a considerar a possibilidade de passear. O isolamento social tem seu preço e sua vantagem: tristeza e segurança. A maioria já se cansou de lavar, limpar e desinfetar. A exaustão levou muita gente saturada do afastamento, a baixar a guarda, relaxando nos cuidados. O que se dizia no começo foi remodelado e abrandado diversas vezes. A covid-19 é doença mutante tanto quanto o coronavírus. 

Marquei com um amigo e fomos nos ver e conversar no Parque Municipal Milton Prates, local aprazível, que foi construído pelo então prefeito Toninho Rebello, em 1969. Localizado na parte sul da cidade, entre os Bairros Major Prates e Morada do Parque, tem um zoológico anexo desativado, um ginásio esportivo, uma lagoa com pedalinhos em formato de cisne, pista de Cooper ao seu redor, restaurante, área de gramado e bosque denso. Em volta uma cerca aramada coberta de verde define seu limite. 

Um dia especial me saudava naquele lugar privilegiado. O sol estava discreto, entre nuvens e a manhã fresca era primaveril autêntica. Sentados num banco, na entrada, a lâmina d'água logo a nossa frente, ocultada em parte pela edificação principal, uma visão panorâmica do parque nos foi ofertada gratuitamente.

 

Atendimento Online pelo WhatsApp