29/11/2021 11:53

COMENTÁRIOS BENEDITO SAID

PONTO - A cidade de Montes Claros perdeu ontem o professor e pensador José Márcio Girard. Na década de 1980, Zé Márcio participou da administração do prefeito Luiz Tadeu Leite, companheiro inseparável de Léo Silveira, que foi secretário de Governo, e Chico, massa pensante de transformações propostas para a época, em que existia a divisão “pobres versus elite”. Era tempo do MDB e de Tancredo Neves, final do governo militar. Numa proposta de reconstrução, chamaram a administração de Mutirão, reunindo pessoas antes distantes do círculo de poder em Montes Claros, que vivia, com Toninho Rebelo à frente, mudanças importantes em sua infraestrutura, graças ao Programa Cidade de Porte Médio, com verbas a fundo perdido. O Programa Cidade de Porte Médio foi fruto de ação política do então deputado Humberto Souto, hoje prefeito no segundo mandato. FRUTO- Léo Silveira, que depois se afastou da administração de Tadeu Leite, era cerebral e calmo. Zé Márcio do mesmo jeito. Foram deles a lavra de mesclar populismo e realização, com o prefeito recebendo o povo às quintas-feiras na prefeitura, fato inimaginável antes. Ali, a plebe ignara, recebia algum conforto, uma ajuda ou palavra amiga. Um encaminhamento qualquer, vestido de alento. Bem ao estilo populista, caiu na graça de todos. E a cidade, já vestida com o Programa Cidade de Porte Médio, ficou melhor com lavanderias comunitárias, centros comunitários em bairros periféricos, calçamento e discurso, além da vaca mecânica que fabricava leite à base de soja. Mas tinha Circo dos Bairros e Olimpíada dos Bairros, que deixava tudo próximo ao poder. SAÚDE - Mas naquele tempo surgiu em Montes Claros o embrião do Sistema Único de Saúde. Era época de ebulição e renovação. Já com participação de João Batista Silvério, médico pediatra e que cuidava da saúde em Montes Claros, Zé Márcio e de José Saraiva Felipe, que participava da administração de Luiz Tadeu Leite e depois se tornou deputado, com influência em nível nacional, chegando a ministro da Saúde no governo Lula, foram mapeados os caminhos para políticas públicas que mesclavam luta de classes, programas sociais e domínio da política a partir do pensamento de massas. AGENTE - José Márcio Girard participou daqueles momentos, como secretário de Ação Social e Desenvolvimento, e de outros, como professor e gestor, prestando serviços na Superintendência Regional de Saúde e na Unimontes. À família enlutada, pêsames. DND - Montes Claros tem sido exímia em esquecer seus construtores, sejam eles quais forem. Nomes que ergueram projetos e histórias são lembrados em vida, principalmente quando ainda têm alguma importância na visibilidade cotidiana, e lamentados no dia da morte. Para por aí.

Atendimento Online pelo WhatsApp